sexta-feira, abril 09, 2021

Outro mundo é possível

 
 
Estudo Ser Virtual 8 – Desenho a esferográfica sobre papel almaço 
– 29.5x20.5 – Pasta Estudos I – 2020

 

 
Estudo Ser Virtual I – Desenho a grafite sobre papel almaço 
– 29.5x20.5 – Pasta Estudos I – 2020


GAZETA DE POESIA INÉDITA

05
Abr21
 

ADÃO CONTREIRAS - CALEIDOSCÓPIO

 


Vertigem
Quando a sombra do desejo abarca a tormenta

Viagem
Se a noite permanece quieta e doce e gloriosa

Vestígios
Quando o eco do amor ainda sustem as abas da amargura

Vórtice
Lingerie nas montras das apps e das gargantas fundas

– assim a dúvida sustida dos inacabados séculos ante a doença das manhãs
 incríveis e o ardor das flores silvestres
 
 
 
 

segunda-feira, março 01, 2021

os Corredores habitados

com o Pedro Morais  - e, outros
 
 
Exposição colectiva de "Arte Moderna" 
na Aliança Francesa em Faro
no ano de 1964

Nome e esenho de Pedro Morais no postal

À noite, depois do jantar, a campainha retinia, e o amigo lá estava à porta da entrada enfeitado pelos nossos encontros, pela aura noctívaga da solicitude; caminhávamos par a par numa vibração sem atritos sonoros pisando a calçada miúda à portuguesa, em direcção à Avenida da Igreja; através dos amplos vidros e a farta iluminação de néons fosforescendo de branco leitoso, do lado duma escuridão frouxa para o espaço contíguo do café Astória, via-mos as mesas repletas de clientes, aqueles do depois do jantar...

 na rua transversal, num minúsculo café que se  escondia entre lojas de artigos domésticos, construíamos a nossa noite;

colocados os livros e as revistas que nos acompanhavam sobre o tampo da mesa ao fundo, debaixo da televisão embicada no alto como foguetório de aleluias, o estribilho da conversa circula em torno da arte, dos artistas e da pintura, – doída festa de encontros; consultavam-se os livros onde as rosas expectantes abriam pétalas de desejos...

líamos nos desenhos de Matisse os pequenos encantos dos objectos caseiros enroscados ao quotidiano dos lazeres, da ternura do espaço que os envolve na voz lírica dos poemas visuais; sobre o papel lustroso do pequeno e soberbo leque de folhas, passavam as nossas mãos burilando os sentidos nervosos do ver e sentir; o Brueghel com o seu povo curvado carregando as infinitas histórias em cenas apocalípticas, merecia uma atenção meticulosa, uma leitura judiciosa das figuras e dos seus actos mirabolantes; um carnaval de paixão amedrontada sai daqueles rostos...

 escondidos debaixo do televisor devolvia-se à noite os seus odores e fogos do dia com a passagem das horas suspensas na injunção dos sentimentos, – esboços das águas flutuantes;